Santo Tomás de Aquino: episódios de êxtase e últimos momentos de vida

Não é surpreendente ler nas biografias de Santo Tomás que ele estava freqüentemente submerso na contemplação e em êxtase. No final de sua vida, os êxtases se tornaram mais frequentes.

Em uma ocasião, no ano de 1273, em Nápoles, depois de concluir seu tratado sobre a Eucaristia, três irmãos o viram erguido em êxtase e ouviram uma voz procedente do crucifixo no altar, dizendo: “Você escreveu bem sobre mim, Tomás; que recompensa você quer?”. Tomás respondeu: “Ninguém além de ti mesmo, Senhor”. Dizem que declarações semelhantes foram feitas em Orvieto e em Paris.

Em 6 de dezembro de 1273, ele deixou de lado a caneta e não escreveu mais. Naquele dia, ele experimentou um êxtase surpreendentemente longo durante a missa. O que lhe foi revelado, podemos apenas supor com sua resposta ao padre Reginaldo, que o instou a continuar seus escritos: “Não posso mais fazer isso. Esses segredos que me foram revelados fazem com que tudo o que escrevi até agora pareça ter pouco valor”. A Suma Teológica havia sido completada apenas até a nonagésima questão da terceira parte (De partibus poenitentiae).

Tomás começou sua preparação imediata para a morte. Gregório X, tendo convocado um Concílio Geral, a ser aberto em Lyon em 1° de maio de 1274, convidou Santo Tomás e São Boaventura a participar das deliberações, ordenando que o primeiro levasse ao conselho seu tratado “Contra errores Graecorum” (Contra os erros dos gregos).

Ele tentou obedecer, partindo a pé em janeiro de 1274, mas não teve forças; caiu no chão perto de Terracina, de onde foi conduzido ao castelo de Maienza, casa de sua sobrinha, a condessa Francesca Ceccano. Os monges cistercienses de Fossanova o pressionaram a aceitar sua hospitalidade, e ele foi levado ao mosteiro deles.

Ao entrar, sussurrou ao companheiro: “Este é o meu descanso para todo o sempre: aqui habitarei, porque o escolhi” (Salmo 131, 14). Quando o padre Reginaldo pediu que ele permanecesse no castelo, o santo respondeu: “Se o Senhor quiser me levar embora, é melhor que eu seja encontrado em uma casa religiosa do que na habitação de um leigo”.

Os cistercienses eram tão gentis e atenciosos, que a humildade de Tomás ficou alarmada. “De onde vem essa honra “, exclamou, “que os servos de Deus carreguem lenha para o meu fogo!”. A pedido urgente dos monges, ele ditou um breve comentário sobre o Cântico dos Cânticos.

O fim estava próximo; a extrema-unção foi administrada. Quando o Sacro Viaticum foi levado para a sala, ele pronunciou o seguinte ato de fé:

“Se neste mundo houver algum conhecimento deste sacramento mais forte que o da fé, desejo agora usá-lo para afirmar que acredito firmemente e sei como certo que Jesus Cristo, verdadeiro Deus e verdadeiro homem, filho de Deus e filho da Virgem Maria, está neste Sacramento… Eu Te recebo, o preço da minha redenção, por cujo amor eu assisti, estudei e trabalhei. Por Ti tenho pregado; Por Ti ensinei. Nunca disse nada contra Ti: se algo não foi bem dito, isso deve ser atribuído à minha ignorância. Também não desejo ser obstinado em minhas opiniões, mas se escrevi algo errado sobre este sacramento ou outros assuntos, submeto tudo ao julgamento e correção da Santa Igreja Romana, em cuja obediência agora passo desta vida.”

Ele morreu em 7 de março de 1274. Inúmeros milagres atestaram sua santidade, e ele foi canonizado por João XXII, em 18 de julho de 1323. Os monges de FossaNova estavam ansiosos por guardar seus restos sagrados, mas por ordem do Papa Urbano V, o corpo foi dado a seus irmãos dominicanos, e foi solenemente trasladado para a igreja dominicana em Toulouse, em 28 de janeiro.

Fonte: http://www.newadvent.org

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Desenvolvido com muita oração e trabalho por Agência B16